O Que é a Ingratidão?

 

O Que É a Ingratidão?

Eu estava pensando sobre a ingratidão…

Ser ingrato tem a ver com ser humanista, porque o humanista atribui suas vitórias a ele mesmo, e não a Deus. O ingrato não reconhece que, sem Deus, ele(ela) talvez não estivesse nem vivo.
A ingratidão também tem a ver com idolatria. Geralmente as pessoas ingratas tem dois comportamentos extremos: “amam” a ponto de idolatrarem a pessoa “amada”, e quando descobrem os defeitos (naturais) da pessoa, passam a desprezar e se tornam totalmente ingratos.
O ingrato esquece com muita facilidade… não as coisas ruins, mas esquece as coisas boas que fizeram por ele(ela).
O ingrato vive no “seu mundo”, busca apenas os seus próprios interesses. É um tipo de pessoa que se torna cega (cego) para o amor (e doação) de quem está ao lado.
Outra característica da personalidade do ingrato é a desobediência que leva a rebeldia… e a infidelidade.
Como o ingrato acha que sabe das coisas, ele (ela) não ouve a mais ninguém, não aceita conselho de ninguém, não considera ninguém capaz de liderá-lo(a) ou de aconselha-lo(a), o ingrato finge aceitar, mas na verdade, ele(a) não aceita se submeter a autoridade, porque ele(a) realmente acredita que sabe o que é bom para si.
A ingratidão também tem a ver com a “falta de educação”. Podemos ser “treinados” desde a infância a ter um comportamento grato, isso ocorre no processo de educação de uma criança. Quando ensinamos uma criança a dizer “obrigado” para as pessoas que lhe servem, ou lhe ajudam, estamos lhe ensinando a ser grata(o). Isso faz parte da educação.
Mas não é apenas a educação, a “etiqueta”, o “protocolo”, o “ser formal”, que gera a gratidão. A gratidão tem que partir do nosso coração, e não apenas ser da boca para fora.
Quem está ao lado (convive) com o ingrato(a) sempre sofre.

O único que não sofreu quando conviveu com um ingrato foi Jesus.
Judas é o perfeito estereótipo do “ingrato”, ele foi salvo por Jesus, amado, cuidado pelo Mestre (que mesmo sabendo que Judas era um ingrato, lavou seus pés)… mas (Judas) não reconheceu, ele foi ingrato, infiel e traidor.
Mesmo assim, Jesus nunca o rejeitou…
Jesus tinha uma (entre muitas) característica: Ele não se iludia em relação as pessoas… Ele não gerava expectativas. Ele não fantasiava ou idolatrava.
Ele ama sem se iludir.
É por isso que Jesus não sofreu quando Judas o traiu, porque ele já sabia quem era Judas, Ele já tinha visto a ingratidão no coração de Judas. Jesus sabia que não podia esperar nada dele, a não ser traição e ingratidão.
Jesus não se decepcionou com Judas, pelo contrário, Ele se preparou para ser traído. Ele já sabia com que tipo de pessoa estava lidando.
É claro que Jesus se entristeceu com a decisão de Judas, pois Jesus o amava, mas Ele não se deixou iludir, Ele não gerou expectativas.
A ilusão fere muito, isso acontece porque quando ela cai, tudo que foi fundado sobre ela, cai junto.
Isso serve para todas as áreas das nossas vidas, mas principalmente para os relacionamentos.
Muitos “Judas” vão aparecer nas nossas vidas… faz parte. Mas nós teremos que aprender a lidar com cada um “deles”, e não deixar que eles destruam a nossa capacidade de amar e de acreditar no amor verdadeiro (e na mudança das pessoas).
A verdadeira gratidão está ligada ao exercício de “se ver”.
Ela “brota”daí.
Observe, quando nos enxergamos, quando honestamente “nos vemos”, e, (sem medo da rejeição) percebemos quantas pessoas nos amam e não nos deixaram (mesmo sabendo de todos os nossos defeitos…) nasce em nosso coração uma profunda gratidão.
Nós, seres humanos, somos assim: Quando percebemos as nossas limitações (quando nos enxergamos), temos medo que os outros também percebam (enxerguem) e nos rejeitem por causa delas.
Por isso, tentamos esconder das pessoas os nossos defeitos a todo custo. Mas isso não adianta.
Mais cedo ou mais tarde, as nossas limitações e defeitos (principalmente aqueles que tentamos a todo custo esconder das pessoas) vão aparecer.
Isso vai acontecer sem querer, na hora da raiva, do nervosismo… sem querer acaba aparecendo pra todo mundo.
Isso de certa forma é bom, porque é nessa hora que saberemos a verdade sobre as pessoas ao nosso redor, é nessa hora que conheceremos o caráter de cada um que nos cerca, porque, se ao ver os seus defeitos, uma pessoa te abandonar, ela(e) está mostrando que não te ama de verdade, ou que não está disposta a te amar e te aceitar como você é.
Por isso, mesmo que tenhamos medo da rejeição, é melhor vencermos esse medo, e deixar que as pessoas nos conheçam de verdade. Assim diminuímos o risco de decepcionar e de sermos decepcionados.

Realmente dói muito a rejeição, mas dói bem menos quando não criamos raízes, quando ainda estamos no começo de um relacionamento… por isso temos que ser “o mais transparente possível” com as pessoas, para não geramos expectativas falsas e infundadas (defraudações).
Eu te garanto que a ingratidão dói muito mais que a rejeição (falo por experiência própria, pois já senti das duas), porque a ingratidão é a rejeição ”concentrada”, ou seja, podemos passar por uma rejeição, e não “rolar” ingratidão junto… mas sempre que rolar ingratidão, junto dela haverá rejeição. É sempre assim, porque o próprio ato de ser ingrato, é um ato de rejeitar.
É por isso que dói tanto quando alguém a quem nos dedicamos, se torna ingrato(a), age com ingratidão conosco, porque nos sentimos profundamente rejeitados e “des-amados”.

Para mim, é um desafio lidar com a ingratidão de um modo geral, mas principalmente com as pessoas ingratas, aquelas que tem essa “natureza”. Acho que isso acontece porque sou grata… Tenho gratidão em meu coração… e por isso, acabo por gerar uma expectativa nas pessoas ao meu redor… não é fácil.
O que tenho aprendido com o Senhor todos os dias da minha vida é o seguinte:
Faça para Ele.
Faça para Jesus.
Ele não tem um coração ingrato, sabe porquê?
Porque Ele não te rejeita.
Jesus conhece a nossa motivação… Ele sabe quando agimos com amor, com zelo, com cuidado…
Ainda que as pessoas ao nosso redor nos “interpretem” errado, Jesus não. Ele sempre sabe “ler” a verdade em nossos corações.
Tenha um coração grato.
Exercite isso.
Comece hoje a exercitar:
Agradeça em primeiro lugar ao Senhor, que te criou, que te formou, agradeça por você estar vivo(a)… agradeça até pelas lutas, porque elas são “professores” que nos ensinam o valor da vida.
Mas agradeça também as pessoas… aos seus pais que te criaram, mesmo que tenham falhado, as pessoas que te criaram fizeram alguma coisa por você… mesmo que seja pouco… foi o que eles sabiam, foi o “melhor” deles… por isso seja grato(a) a cada um deles. Diga a eles “obrigado(a) por tudo que você fez por mim”.
Agradeça também as coisas simples do dia a dia: o cobrador do ônibus, a faxineira do seu trabalho, a pessoa que te serviu na lanchonete, a atendente do balcão de alguma loja… seja grato(a)…
“Mas Sarah, e se eu for grato(a), educado(a) com as pessoas, e elas não retribuírem? O que fazer?”
A resposta é:
Faça para Jesus. Não faça esperando que as pessoas te devolvam… faça sabendo que Deus está vendo cada atitude sua, em cada minuto do seu dia.
Ele te devolverá.
Ele é justo e fiel, e nunca vai deixar passar desapercebido uma atitude boa e correta que façamos, mesmo que demore (aos nossos olhos) para ter “retorno”, tudo, absolutamente tudo que “plantarmos” nós vamos “colher”.

Mateus 7:12
“Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim
fazei-o vós também a eles; porque esta é a Lei e os Profetas.”

Faça para os outros o que você quer que façam a você.
Você verá como Deus é justo. E como a Palavra dEle não falha.

Que Deus te abençoe,
Missionária Sarah Sheeva
30/01/2010

55 pensamentos sobre “O Que é a Ingratidão?

  1. Olá Sarah

    A ingratidão é um grande perigo que ronda a vida dos crentes.
    Fruto de uma insatisfação constante com as coisas que já alcançamos e recebemos.
    A Bíblia nos ensina que em tudo devemos dar graças: “Em tudo, dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco.” (1Ts.5:18)
    No texto encontramos uma cena interessante e até mesmo familiar de cura.
    Pessoas doentes, alijadas da sociedade que encontram com Jesus e são restauradas, mas uma olhada mais acurada nos revela outra realidade também exposta pela Palavra: A Ingratidão de 90% dos que receberam a cura e o milagre de Jesus.
    Eu já sofri com a ingratidão sempre das pessoas, mais sempre tive um coração grato. E cheguei à conclusão que temos que saber ser gratos sim sem esperar receber a gratidão do próximo procuro fazer a minha parte e não me machuco mais com isso e sou grata em primeiro ao Senhor Jesus por todas as maravilhas que Ele tem operado a nosso favor.
    Aprendi abrir os meus olhos e consegui ver a mão de Deus em tudo o que eu tenho.
    E você foi um canal para eu abrir os meus olhos, quando te pedi um conselho lembra?
    Obrigada amada por isso.
    Deus te abençoe.

    • Boa tarde Sarah

      Sábias palavras sobre a ingratidão.
      Eu sou kardecista, e, as colocações feitas por ti, tem todo fundamento cristão, que também acredito.
      Muitas vezes creditamos atitudes de ingratidão as pessoas, mas que refletem na realidade nosso orgulho, pois esperamos ver reconhecidas nossas atitudes benéficas, e quando isto não acontece, nos melindramos.
      E o que é o melindre, do que o orgulho disfarçado?
      Agradeço pelas suas palavras, que nos ajudam entender o estágio que estamos de evolução espiritual, do qual Jesus, é nosso mestre e amigo, guia e protetor.
      Deus continue te abençoando.

  2. Amém!!
    O segredo é fazer para o Senhor! Não esperando receber recompensas dos homens, pois os homens não podem dar uma recomensa que nos sustente, que nos faça crescer. Não. Estejamos interessados em receber somente o galardão dos céus, o galardão permante, que somente o Senhor pode nos dar! A recompensa perfeita e que não tarda!! ALELUIA!!
    Um grande abraço minha irmã!!
    Kaline

  3. Sarah,
    Realmente a ingratidão tem um sabor não muito agradável, mas mesmo assim, não devemos permitir que ela abale nossa estrutura e venha a ferir nosso caráter.
    Cito a passagem de Lucas, capítulo 17, do versículo 11 ao 19, onde há o relato dos dez homens cobertos de lepra que se achegaram até ao Senhor Jesus clamando pela sua misericórdia. Jesus teve compaixão dos mesmos e os curou, mas apenas um deles glorificou em alta voz a Deus e caiu aos pés do Mestre e deu-lhe graças. Este homem era samaritano, sendo que os demais eram judeus. No coração do samaritano havia gratidão, já no coração dos judeus ela se fazia ausente, talvez pelo fato de acharem que por serem da raça escolhida, Jesus não fez mais do que sua obrigação em curá-los. Isso por muitas vezes ocorre em nosso dia a dia, existem pessoas pelas quais nos doamos, nos entregamos, e elas nos são gratas, mas existem outras que pensam da mesma forma que os judeus: “Ele(a) não fez mais do que sua obrigação, afinal de contas ele(a) não profeça e fé cristã?”
    Ainda meditando na “Cura dos dez leprosos” (Lucas 17:11-19), a ingratidão dos nove judeus não lhes privou da misericórdia de Jesus, porém, mas não permitia que eles tivessem comunhão com o Senhor Jesus. Desde a mais tenra, fui ensinado por meus pais a ser uma pessoa grata, ensinamentos estes que vieram através da educação familiar, porém, ao caminhar com Cristo, estes atos de gratidão e de doação totalmente desprendida dos agradecimentos, expectativas ou elogios dos homens foram se acentuando, devido a busca por adquirir o caráter de Cristo Jesus.
    Se desejamos ter cada vez mais o caráter de Cristo, devemos entender que se faz tudo por Amor (com “A” maiúsculo mesmo), primeiramente o Amor a Deus (Mateus 22: 36-39) e consequentemente por Amor ao próximo e a nós mesmos e não por qualquer outra motivação. Existe maior exemplo de ingratidão do que a que sofreu Jesus Cristo??? Ele veio para salvar os seus, mas os seus não o receberam! Mesmo assim, Jesus não refugou e cumpriu o plano de salvação designado a Ele por Deus Pai, e ao invés de tapinhas nas costas e palavras de gratidão, recebeu morte e morte de cruz.
    Sarah, mais uma vez abordaste um interessante tema em seu blog.
    Deixo-lhe um grande abraço.
    Deus te abençoe!!!

  4. Eu me identifiquei demais com esse texto. Durante muito tempo eu sofri por ter expectativa com relação àqueles que me cercam. Sempre esperei muito das pessoas e, quase sempre, não recebia de volta o reconhecimento pelo que fazia, nem era valorizada. Desde criança, sempre fui uma pessoa muito doce, até mesmo sentimental, dou valor às pequenas coisas, pequenos gestos… Um “bom dia”, um abraço, um telefonema pra saber como a pessoa está, um “muito obrigado”, enfim, coisas que estão desaparecendo a cada dia, pois as pessoas estão vivendo em seus mundos, mergulhadas em seu cotidiano e cada vez mais contaminadas pela síndrome da pressa. Com isso, ocorre aquilo que a própria bíblia já dizia que iria acontecer… O amor das pessoas está se esfriando. E isso não ocorre apenas no nosso trabalho, ou em tantos outros lugares que convivemos, mas tb dentro da igreja. Só para exemplificar, vou citar um episódio que aconteceu comigo recentemente. Há uma semana eu fui assaltada, quando voltava do cursinho para casa. Como trabalho o dia todo, só posso estudar à noite. Depois que passei por esse trauma, resolvi mudar meu curso para o fim de semana, durante o dia, para não correr mais esse risco. Ocorre que, como a aula acabava perto do início do culto, eu chegaria um pouco atrasada na igreja. Daí, no domingo dessa mesma semana, eu teria que dirigir o culto da equipe de louvor. E eu liguei para uma das componentes da equipe, expliquei tudo o que havia acontecido comigo e pedi para ver se era possível alguém me substituir, pois eu chegaria um pouco atrasada. Essa pessoa conversou com a líder do louvor, e esta me retornou totalmente alterada e sequer tocou no assunto do assalto, sequer perguntou se eu estava bem. Eu fiquei muito decepcionada com isso, afinal de contas, que evangelho é esse que estamos vivendo, que não existe amor e compaixão pelo seu próximo, pelo seu irmão em Cristo?? Vale mais o trabalho do que o amor? Não estou dizendo que a obra não seja importante, claro que é. Mas esse episódio me fez lembrar de Marta e Maria. Enquanto Marta só se preocupava em trabalhar e criticava Maria, esta só queria adorar o Senhor, se prostrar diante Dele.
    No final das contas deu tudo certo, minha cunhada dirigiu o culto e foi uma benção. Não precisava a líder ter reagido como reagiu. Enfim, coisas desse tipo acontecem muito, infelizmente temos que lidar com pessoas frias, egoístas e ingratas, em TODOS os lugares, inclusive na igreja. Quando me converti, eu tinha a ilusão de que na igreja as pessoas eram diferentes, viviam quase que num mundo à parte, eram meio que “perfeitas”. Hoje sei que são seres humanos normais, como todos os outros, tentando serem melhores e se aperfeiçoarem para o Senhor. Tenho aprendido a não esperar nada de ninguém, apenas de Deus, e saber que Ele, somente Ele, é quem me ama de verdade, é meu amigo, meu Pai, meu Escudo, Refúgio e Fortaleza e JAMAIS irá me abandonar, nem me decepcionar. Mas o homem, mais cedo ou mais tarde, sempre nos decepciona, pois ele é falho!

    Obrigada pela oportunidade de aprender cada dia mais e mais do Senhor, Sarah! Você é uma grande benção na minha vida, um exemplo de mulher virtuosa! Beijo grande e fique com Deus!

  5. Sarah, serva de DEUS és uma benção nesse mundo onde muitos ainda não escolheram servir verdadeiramente e estão distantes, divulgo seu Blog aqui no estágio, e pessoas que estão distantes e outras que estão buscando a DEUS tem sido tocadas, tive a oportunidade de ver vc ministrando a palavra na Batista Obreiros de Cristo.
    DEUS te abençoe ricamente

    Hélton

  6. paz do Senhor Sarah.vi no you tube a sua pregação na obreiros de Cristo e fui muito edificada. Sou de Recife, mas não tive oportunidade de ir pois não tenho o hábito de ir em outras igrejas sendo dia de culto na minha. Sou da igreja Apostólica Batista Shekinah.Minha irmã, que Deus continue abençoando sua vida e seu ministério.Louvo a ELE pela transformação maravilhosa que fez na sua vida e de sua mãe Baby.Tb sou um milagre de Deus.Só ELE poderia fazer o que fez na minha vida.Amo muito esse Deus maravilhoso.forte abraço.

  7. Olá linda de DEUS.
    Tô apaixonada por suas músicas e palavras e sei que é pq vêm de DEUS. Vc não tem noção do quanto DEUS te usou pra impactar a vida de muitos aqui em Santarém.
    Sei que foi de DEUS. DEUS usou vc.
    Quero que saiba que tens uma irmã em mim, uma intercessora.
    Agradeço a Jesus por salvar, limpar, honrar e glorificar seu nome na sua vida.

    te amo em CRISTO!!!

    Que teu coração continue no lugar certo:
    no centro da vontade do PAI.

    VOCÊ É ABENÇOADORA!!!

  8. Sarah vc esteve aqui em Santarém.. No AcampJovem Revolution 2010 em alter-do-chão..
    Eu fui …. Preciso contar a vc O que Deus fez em minha vida!!!
    Pra onde eu mando esse E-mail???

  9. Sarah, muito obrigada por ser benção em minha vida. Ultimamente tenho me achegado muito a Deus. E por isso eu reconheço em mim, um pouco do que está aqui. Sou um pouco ingrata sim, mas o Senhor tem me curado. É dificil porque eu não fui criada com a cultura do agradecimento, estou aprendendo sozinha isso e demora. Meu coração é grato mas sempre me esqueço de falar para as pessoas.
    Por isso tenho feito o exercício diário de sempre estar na mente tudo que eu tiver que falar. Sempre pensando antes de falar, senão eu erro. Tem dado certo!

    Que o nosso Eterno Deus te abençoe a cada dia mais!

  10. Ola Sarah
    e a primeira vez que vejo esse site, estava pesquisando ou melhor procurando respostas, sobre a ingratidao, gostei muito do seu texto , me ajudou muito pois tenho sofrido demais , por causa da ingratidao
    Por mais que tente ajudar as pessoas, levo punhalada nas costas, e como uma facada no coraçao
    Sou muito invejada e vitima de pragas essas coisa
    naum tenho nada so uma familia linda e unida
    mas no mundo de hoje isso causa inveja
    Me ajude a lidar com isso , pois estou depressiva de tanto lutar e naum alcançar nada, devo confessar que as vezes fico incredula
    mas quero ajuda pra mudar isso
    Obrigada

  11. A paz seja contigo minha querida irmã,

    Fiquei muito feliz em ouvir o seu testemunho de conversão, realmente Deus se revela a quem Ele quer. Moramos em Portugal há nove anos, meu marido, minha filha mais nova e eu, e nos quatro últimos anos, Deus nos concedeu a tarefa de estar a frente de uma igreja. Mais temos sofrido muito por causa da ingratidão, aqui parece que quanto mais você faz, mais ingratos eles são com você, é claro que estamos falando na maioria, brasileiros, infelizmente. Eu louvo a Deus pela sua vida, porque suas ministrações tem sido uma benção em nossas vidas. Que Deus continue a te usar e abençoar.

  12. OLÁ SARAH
    ADOREI TER PASSADO POR AQUI E LIDO ESSE TEXTO SOBRE INGRATIDÃO, ERA EXATAMENTE O QUE EU PRECISAVA OUVIR. COM O CORAÇÃO DOÍDO DEMAIS! SEI QUE MUITO FIZ POR ALGUÉM, MUITAS VEZES DEI COLO E CONSOLEI EM MOMENTOS DIFICEIS E CONSCIENTEMENTE NÃO ESPEREI MUITA TROCA, NÃO. MAS A RESPOSTA QUE ME VEIO EM MOMENTO DE VITÓRIA DA PESSOA FOI JUSTAMENTE A INGRATIDÃO, DE FRENTE PARA ELA ME SENTI NULA E REJEITADA. SEI QUE DEUS TUDO VIU! OBRIGADA PELO TEXTO QUE JESUS LHE ILUMINE SEMPRE!

    • Tb fui vitima da ingratidão,fiz de td por uma pessoa que hj nem reconhece o quanto eu Batalhei pra fazer o melhor possível mas deus eh justo e sabe o que faz!

  13. Cara Sara, fico feliz em ve-la em tão grande fervor espiritual e com palavras tão sábias para uma pessoa tão jovem. Tambem fui a primeira da minha família a me tornar evangélica, estudei muito teologia e hoje não tenho religião, embora goste muito da idéia da igreja (como grupo de corações sintonizados em Deus) e de tudo que se refira à espiritualidade. Gostaria de fazer uma observação. Não creio que haja nos evangélhos oficiais (os quais, ainda que livros sagrados, foram compilados pelo imperador genocida Constantino no concílio de Nicéia para fortalecer uma determinada parcela do clero (machista e corrupta) e enfraquecer outra, os famigerados gnósticos) não creio que haja nenhuma menção a Jesus amar Judas. Claro, como redentor ele a todos ama, mas não havia nele afinidade ou nenhum tipo de alisamento com Judas, pelo contrário, Ele não estimula Judas a se unir ao grupo (as aves dos céus tem ninhos…) Ele repreende Judas por avareza, ele desmascara Judas na última ceia e ainda o manda ir fazer logo aquilo que quer fazer. Nada parecido com o relacionamento dele com João (esse sim amado) Matheus, Pedro, etc.
    Isso para mim significa que uma das formas de lidar com pessoas que não tem interesse em aprender como “não esfaquear pelas costas quem te tirou da m.” é ser duro com elas também, por amor. Não adianta alisar pessoas mesquinhas e miseráveis. Com isso elas aprendem a ser mais egoistas pois todos a perdoam sem que ela colha os frutos da sua ingratidão que para a alta é igual à morte. Se voce é santa (separada para Jesus) não haverá saída a não ser afastar-se de pessoas que, como Judas, se dizem amigos sem ser. Jesus pregava para ladroes e prostitutas (algo que os Cristãos teimam em esquecer) mas ele não vivia com ladroes e prostitutas, nem considerava seus irmãos aqueles que nao amavam a sua palavra e sim os que a amam. Tenho irmãos que são mesquinhos e infieis a palavra de Deus, só pensam em dinheiro e em se agarrar a bugigangas, só pensam neles mesmos, sexo, TV, computador, viagens e roupas, academia, cinema, shoping e trabalho. Eu os amo, mas nao me sinto bem ao lado deles e estou cansada de cair do cavalo quando peço alguma ajuda. São meus irmãos, mas somos incompativeis. Não que eu seja Jesus e eles Judas (estamos muito longe disso) mas sinto em dizer que irmão é só alguem que tem pais em comum, mas família, sangha, é uma coisa espiritual. Pensei que se buscasse a Deus, ele me faria feliz, Ele faz, a cada dia, mas tambem tira coisas de mim. Quanto mais me aproximo dele, mais pessoas que eu achei que ia viver sempre ao lado, se afastam de mim ou eu delas. Não culpo a Deus por isso, nem a mim, nem ao outro, mas quem quiser amar um ingrato pode começar a pensar em se afastar dele como uma forma de amor. Bem esse é apenas um desabafo. Obrigada pelo espaço

    • achei a sua postagem interessante ao ponto de ser determinada e sincera, bem como tem a personalidade forte identidade propria isto me fez ler seu texto e parabenizar!!!!!

  14. Boa Noite Sarah, Estava eu com meu coração muito doído e resolvi saber melhor sobre a ingratidão. Daí eu encontrei o seu site, Que através das suas palavras DEUS falou muito comigo. Era tudo o que eu precisava ouvir.Estou afastada dos caminhos do SENHOR. As vezes eu vou a igreja. Mas peço todos os dias para que o SENHOR me transforme e me direcione para uma igreja onde eu possa congregar. Tenho sofrido muito e sei que com minhas forças fica difícil. Mas gostaria de lhe pedir que me ajudasse em oração, Pois me sinto muito frágil e sem forças para caminhar. As situações tem estado muito difícil pra mim, Mas tenho FÉ em JESUS CRISTO que eu vencerei. Muito obrigado por suas palavras. Que DEUS continue te usando para confortar os nossos corações. Um abraço. Angela.

  15. LIndas palavras de sabedoria,
    Consegui entender muitas coisas que estavam sem respostas em minha vida.
    Obrigada…
    Deus a abençõe grandemente…

  16. eu acabo de passar por uma ingratidão como é triste .
    mas estou me levantando com a ajuda de Deus e os louvores que canto pra ele é tremendo quando eu começo louvar me arrepio toda e fico feliz um abraço pra quem curte Deus.

  17. entrei neste blog p acaso ou não, mas me senti edificada c suas palavras de edificação,e triste é qdo recemos ingratidão de um ente-querido, e ainda tidos como culpados!
    Shalom irmã!

  18. Sem duvida a ingratidão é algo que faz doer por demais o nosso coração, estou nesse exato momento, passando por tudo isso, estar dificil demais suportar tamanha dor, estou preste a entrar em depressão… Tento fugir de tudo e todos, na tentativa de que esse sentimento fique pra traz, mas trabalho diariamente com a pessoa, e sinto na pele a sua rejeição e afastamento de mim; eu semple fui e ainda tento ser a uma pessoa onde tenho ajudado e contribuido para a sua vida, mesmo hoje não estando mais com ela, porem ainda sou apaixonado por ela, e a mesma passou ser uma pessoa inconveniente e ingrata na tentativa de fazer com que eu a esqueça! está dificil, está doendo… A ingratidão de uma pessoa é terrivel, de alguém que amamos então… O faço…?

  19. Deveria o ingrato pelo menos agradecer a Deus por ter nascido mas até isto ele amaldiçoa por dizer não pedi pra nascer.

  20. Oi sarah, convivo 24 horas com uma pessoa ingrata, como é difícil lidar com elas, ainda q tentemos exercitar tdo isso q vc ministrou aki, q devemos fzer sem esperar nada de volta, é mto difícil, afinal, somos humanos e quem ñ espera um gesto de gratidão de alguém q nós servimos com amor?
    difícil né?
    a pessoa tem toda as caracterícas q vc citou acima a cerca da ingratidão.
    mas, Deus vai me dá força para suportar e vencer.
    abraços!

  21. Oi Sarah, adorei a sua conversão, a sua historia mi tocou muito, pos é parecida com a minha. Sobre tudo a vida cristã é muito lindo, porêm o maior amor esta mais em dar do que em receber e nós viemos pra isso, para transmitir com amor a palavra de Deus: nós viémos pra servir e não pra sermos servido. Adorei o seu testemunho, não perques Deus de vista, centra-se nELE e na Sua palavra com obediênça(Ez:33,8) que tudo lhe sera dado por acressimo. Bom começo de fim de semana. Olha sarah, aceite o meu pedido no facebook, quero tanto te conhecer.

    Beijos.

    Marcos futa

  22. essa mensagem de sarah era tudo que eu presisava para fortalecer depois de uma ingradidao so posso dizer obrigado que DEUS continue a usar voce abçs diaconisa francisquinha

  23. Linda definição de ingratidão, ao ler a mensagem ela entra pelo nos olhos e corre pelas nossas veias e bater forte em nosso coração. Parabéns

  24. Sarah,
    Eu achava que era a única a dizer: “O único que não sofreu quando conviveu com um ingrato foi Jesus.” Quando comento com as pessoas sobre a ingratidão da minha filha, todos ficam contra mim, dizendo que devemos dar ser esperar nada em troca, que devemos aceitar e perdoar a agressão, o roubo, a mentira e o abandono dos filhos. Eu não me considero tão altruista a esse ponto e penso que só Jesus foi capaz disso. Tenho feito um exercício de consciencia e pedido perdão aos meus familiares por atitudes cometidas na adolescencia que, hoje, não considero gratas o suficiente. Piorou! Me consideram dramática e exagerada, que não preciso pedir perdão algum. Nessa solidão emocional e intelectual que me encontro, só aqui encontrei opiniões parecidas com as minhas.

  25. Outro ponto que eu queria levantar: Se fomos capazes de fazer o bem a alguém, das duas uma: ou somos tolos capazes de criar cobras debaixo do travesseiro, ou essa pessoa chegou a nos fazer algum bem, que mereceu afeto e contribuição da nossa parte. Então, quando estivermos sofrendo com a ingratidão dessa pessoa, será que não devemos olhar mais atentamente ao bem que ela inicialmente nos fez?

    • Acho que na vida em todos os nossos atos, gestos e desejos em relação a nossa convivencia c as outras pessoas, influenciam muito em nossas vidas é como se fossem sementinhas que plantamos. as vezes temos que ajudar pessoas que entram em nossas vidas de alguma forma e, especialmente, dessas pessoas nós nunca esperamos nada de negativo, por mais que não tenhamos nenhuma intenção de receber um bem em troca, o mal vindo de quem ajudamos e torcemos, é muito cruel, no mínimo é injusto. simplesmente porque a lei da vida é plantar e colher, o justo é colher o que plantamos, por inteiro, nada pela metade!!!pois ninguem planta meia semente.então, que os nossos atos, desejos e gestos sejam sempre os melhores, acho que o ingrato tbem receberá ingratidão…

  26. Com certeza, só Jesus para nos fortalecer nessa hora, pessoas podem nos levar ao buraco da vida, mas Deus só nos levanta e nos mostra o quanto Ele é Fiel a nós!

  27. fui engrata com uma pessoa que sempre esteve ao meu lado,e quando me toquei vi que ja era tarde,a pessoa diz que me desculpou mas pelas atitudes que ela tem comigo acredito que foi so da boca para fora,as pessoas são ingratas comigo mas depois do meu erro vi que as vezes somos ingratos sem perceber ,tento ajudar as pessoas sem esperar muito delas ,eu espero mesmo e em DEUS pois eu sei que ele e unico que me ama de verdade !!!!!!!!beijos!

  28. Estou vivendo a dor que o veneno da ingratidão inoculou em alma boa, é um que destrói o futuro. É um veneno muito perigoso ! Encontrei lucidez e conforto em suas palavras, então me mostro grato atrvés deste comentário.
    Muito Obrigado por tê-lo escrito !

  29. que maravilha esse site.estava com raiva das pessoas ingrata.mas agora sei que nao e de Deus.que Deus me de forca pra amar meu proximo.muita saude e paz do senhor pra todos.

  30. Nem sempre a verdade é o que queremos ouvir,mais é melhor ouvir a verdade do que viver na mentira e no engano,mais a verdade que uma das piores coisas para se conviver com alguém é quando não se tem reconhecimento pelo que se faz,e não se tem retorno pelo amor atribuído para alguém que não te dar valor!Parabéns pelas palavras contidas de muita verdade!

  31. Ola missionaria tenho um caso complexo que gostaria de compartilhar com vc e ter um aconselhamento via email se possivel entre em contato comigo me identifico com parte de seu testemunho e suas musicas que louvam
    a Deus com um amor e gratidao expressivos

  32. Suas palavras realmente são abençoadas por Deus, me ajudou muito, fui convidado pra Ministrar um culto e precisei de uma leitura bacana e Deus, me mostrou esse site, e através de suas palavras, me aprofundei mais no termo INGRATIDÃO. Obrigado, obrigado mesmo.

  33. O Ingrato é mesmo difícil de se lidar.
    Geralmente os ingratos estão sempre precisando de algo, nunca pedem o que precisam diretamente para que não precisem agradecer, mas se fazem de coitados para que os outros lhes façam ou lhes dêem algo por espontaneidade e isso (na mente hipócrita deles) lhes eximam de mostrar gratidão. São parasitas incapazes disfarçados de alguém que recebe algo de outras pessoas por serem especiais e merecedores de toda a benevolência.
    Nem o sofrimento e o isolamento que esse comportamento desprezível lhes proporciona é capaz de mudar suas mentes doentes. O ingrato é, seguramente, um psicopata. Distância e desprezo são ótimas dicas para evitar aborrecimentos.

  34. sentir ingratidão depois de darmos tudo de nós é tão mau.quando damos o melhor de nós para o bem da pessoa e esta de um momento para o outro passa de uma adoração para um desprezo e esquece tudo.a isto se chama cuspir no prato onde comeu.Mas a única duvida que tenho é esta será que as pessoas que desprezam la no fundo não nos dão valor?será que nunca poderemos sentir reconhecimento. será que temos que viver com este sentimento de angustia e não conformação?

  35. Sarah vc esta de parabens. Continua assim ajudando as pessoas com palavras.as pessoas inteligentes tira proveito dessas palavras pra sua vida. Bom dia. Q Deus t abencoe sempre

  36. Pingback: A face oculta da ingratidão - www.tempodeganhar.net

  37. Adorei seu artigo, me ajudou demais. Passei recentemente por um caso de ingratidão de uma pessoa que me machucou muito. Seu artigo me ajudou bastante, obrigada. Agradeço a pessoas como vc que escrevem coisas que ajudam os demais com suas dores e aflições.

  38. A TIRANIA DOS FILHOS E A ESCRAVIDÃO DOS PAIS

    Até a alguns anos atrás, os filhos estavam sob a responsabilidade, proteção e cuidados dos pais. Por eles, eram educados, socializados, aprendiam como “viver a vida” com dignidade, honestidade e conduzir-se de forma inteligente pelos seus caminhos vindouros. Ainda com os seus genitores, treinavam os primeiros passos e soletravam as primeiras letras do abecedário. Nos lares, apesar das discórdias, menos graves que as de hoje, as famílias permaneciam unidas, mesmo à custa de algumas renúncias dos pais. Aquela união, ainda que algumas forçadas e suportadas; pelo menos criava um ambiente de segurança e conforto que fortalecia o elo familiar e mantinha certa estabilidade social. É claro que existiram exceções, com graves consequências psicobiológicas para a prole; porém, as famílias produziam exemplos de grandes Homens e vultos extraordinários na Ciência, nas Artes, na Literatura, na Política, no Humanismo, etc. Nem é necessário dizer e nem dar exemplos dessas tantas contribuições sociais que as famílias de antes nos proporcionavam; basta que se leia sobre as grandes personalidades do Brasil de ontem.

    Alguns psicólogos (não psicobiólogos), pedagogos, sociólogos liberais e pouco ou nada científicos, criticaram e cerraram fileiras contra a formação familiar de antes; afirmando que os pais eram dominadores, tiranos e subjugavam os seus filhos, impondo-lhes castigos físicos e morais. Como já dissemos, não há duvidas que tais aberrações na educação familiar existiam naquele tempo; porém, não era a regra geral. Pelo contrário, tínhamos mais famílias formadoras de pessoas honestas e cultas, em comparação com a maioria das de hoje que tem gerado filhos ingratos, drogados, agressivos, rebeldes, ignorantes e alienados; indignos e incapazes de serem bons cidadãos. Pais de outrora, via-de-regra, ensinavam e educavam com a pedagogia do amor, da cultura, do bom-senso, da honestidade e do respeito mútuo; amavam os seus filhos e, se necessário fosse, dariam as próprias vidas por eles. É claro que, de vez em quando e de quando em vez, era necessário que aplicassem algumas palmadas saneadoras nos traseiros dos seus rebentos mais rebeldes.

    Hoje; os pais são condenados e presos se tocam nos filhos e estes, é que dão pauladas nos pais, tiram-lhes a vida e recebem prêmios dos políticos corruptos e educadores incompetentes e demagogos. Mas, o que causou tamanha reviravolta na educação familiar que está levando à falência da família e, por conseguinte, a desestruturação social? Filhos não mais respeitam e nem obedecem aos seus pais; alunos agridem os seus professores; adolescentes e crianças maltratam animais; destroem plantas; pisam nos jardins; sujam o chão nas ruas; não querem estudar; se tornam alcoólatras e drogados; furtam as notas escolares (“Cola”); não tem amor a mais ninguém a não ser a si mesmo e nos quais tem interesse e, ainda, se exibem nas Redes Sociais com fotos de suas tolices, suas crueldades e com o vazio de suas nulas existências. Como já citamos em Trabalhos anteriores, a desestruturação familiar teve início nos Anos Sessenta, com a rebelião de drogados nos EUA, cujo lema era: “Paz e Amor”. Em verdade, ao invés da paz e do amor prometidos; trouxeram-nos a desarmonia e o desamor; pois a falta de cultura, a falta de responsabilidade, o sexo promíscuo e as drogas livres só podem proporcionar ignorância, doenças sexuais, agressões, violência, crimes, abortos e discórdia; isto é, a falência da Paz, do Amor e da Família… Foi o que aconteceu!

    Como poderemos esperar Paz e Amor com Drogas alienantes; se a maioria dos crimes mais perversos acontece sob o efeito dessas drogas psicotrópicas; e, que Unidade Familiar pode prosperar com a promiscuidade e facilidade em trocar de parceiros logo que enjoar do mesmo? Repetindo o que tantas vezes citamos: depois da Pandemia Hippie; o BEM virou o MAL e o MAL se transformou no BEM; tornando o Comportamento Negativo mais atraente e seguido; enquanto que o Comportamento Positivo passou a ser rejeitado e abominado; notadamente nos dias atuais. Foi assim que tudo ficou de “pernas para o alto” e invertido. Some-se a isso a invasão do lixo da Televisão em quase todos os lares do mundo, mostrando,difundindo,divulgando, condicionando as mentes e ensinando toda espécie de degeneração mental, material, espiritual e moral; sem falarmos dos filmes, vídeos, teatro, revistas e em outros tipos de comunicação, como a Internet que mostra as mais variadas formas de perversão imagináveis e inimagináveis.

    Não resta dúvida que estamos sob o Domínio do Mal, vendo a inversão dos valores em todos os sentidos; principalmente entre pais e filhos, com relação ao respeito destes com aqueles. Na prática clínica e nas reuniões e encontros com os pais, é comum ouvirmos as lamentações e as suas reclamações referentes ao sofrimento, despesas e dissabores que os seus filhos lhes causam. Há tempos, visitando famílias de pacientes, de parentes, de amigos e de conhecidos, constatamos “in loco”, a evidência e a veracidade da tirania dos filhos e as razões da escravidão em que estão submetidos milhões de pais, não somente no nosso País; mas, nas famílias do mundo inteiro. Agora, são os filhos que governam e tiranizam os pais e, muitos deles arruínam as finanças da família, sugam até as últimas gotas do suor e do sangue dos seus genitores; sem demonstrarem qualquer sentimento de gratidão, piedade, compaixão ou de culpa. A rebeldia filial, como forma consciente e/ou inconsciente de vingança é um fato rotineiro entre os filhos na faixa etária que chamamos de “Idade da Mula” (depois explicaremos essa “idade”). Essa é a idade em que o filho (ambos os sexos), geralmente na fase de idade compreendida entre o início da puberdade e o final da adolescência quando ele é novo em idade, um alienado mental e social. Nessa fase etária, as queixas paternas são quase semelhantes entre elas e se resumem nos seguintes comportamentos dos filhos:

    -O uso ou desejo de usarem drogas;
    -desconhecem a Literatura e o Vocabulário da própria Língua, usando um palavreado chulo, repleto de palavrões e chavões nojentos. A nossa Língua Portuguesa contém mais de 400 mil vocábulos; entretanto, eles usam um pouco mais de uma dúzia de palavras para se comunicarem; geralmente através de palavras chulas, palavrões e gírias repetitivas das gangues criminosas daqui e de além-mar.
    -Precocidade, desvios e promiscuidade sexual;
    -desinteresse pelos Estudos, pelo Saber, pela Ciência e pela Cultura;
    -agressividade constante com os pais e com os irmãos que não concordam com os seus desejos e comportamento, podendo chegar à agressão física;
    -comem demasiadamente e se alimentam pessimamente; empanturrando-se com doces, refrigerantes, sanduíches, balas e qualquer outro lixo químico da indústria alimentícia, produtos aditivados e qualquer outra coisa produzida pelas Empresas cancerígenas, nacional e multinacional que não se importam com a saúde e a vida dos ignorantes e dos imaturos consumidores, principalmente na faixa etária até os 25 anos. Estes são umas verdadeiras “Mulas” que se deixam levar pelo condicionamento da propaganda dos capitalistas espertos, gananciosos e espertalhões do comércio e da indústria da comilança mundial. Além disso:

    -são dorminhocos, preguiçosos, pouco ou nada higiênicos, desorganizados e bagunceiros com os seus pertences e com as coisas da casa. Deixam torneiras e chuveiros pingando; sabonetes no chão e toalhas molhadas largadas em qualquer canto. Mesmo em tempo mais quente, tomam banho no grau mais quente do chuveiro. Poucos ligam para o gasto dos seus pais com as contas de água e luz da casa, deixando tudo aberto e ligado. Entrar no quarto da maioria deles (quase sempre todo fechado e sem ventilação natural) é uma calamidade; uma bagunça descomunal, um desleixo incomum, uma sujeira indescritível, uma total ignorância biológica desconhecem a necessidade da oxigenação pulmonar), sociológica (não se preocupam com o social) e humanística (deixam toda a sujeira e desorganização para as suas mães limparem e cuidarem) numa desorganização proporcional às suas mentes confusas e conflituosas;
    -dormem tarde e acordam tarde, ouvindo com todos os decibéis possíveis toda espécie de escória sonora e assistindo aos programas mais tolos e desestruturantes da televisão-lixo, repletos de cenas de violência, horror, terror, crueldade e de comportamentos negativos e nefastos que condicionam os tolos e os imaturos a segui-los e a praticá-los;
    -são rebeldes, como forma de vingança consciente ou inconsciente contra os pais, é uma prática constante dos filhos nessa “Idade da Mula”.
    -mentem em demasia, quando demonstram ser “bonzinhos”, “caridosos”, ”prestativos” e defensores dos comportamentos dos seus colegas desviados, dos mais pobres, dos humildes, das minorias e dos esquecidos sociais. Mas, na realidade, no dia-a-dia, tudo que dizem não passa de bravatas enganadoras; pois, quem os vê ajudando velhinhos ou deficientes atravessando ruas? Quem são os que andam em bandos nas ruas atacando pessoas e quebrando os bens públicos e particulares? Quem picham muros, monumentos, prédios, etc.? Quem são os admiradores e imitadores dos piores criminosos da Humanidade? Já repararam a idade dos mais cruéis bandidos que estão nos atacando e nos matando? E a idade dos motoristas que matam quase 50.000 brasileiros por ano? Quem vive se exibindo em correrias de carros e matando inocentes pedestres nas calçadas? Eles sabem e se preocupam com as 6 crianças que morrem de fome a cada hora somente no Brasil? Onde são vistos dando esmolas, alimentando ou cuidando de mendigos nas ruas? Eles visitam orfanatos, asilos, creches e hospitais para consolarem os que estão ali internados e sofrendo? Quem ajuda, dá apoio e fica ao lado, dia e noite com os doentes hospitalizados da sua família? São os tios e parentes mais velhos e até amigos e vizinhos desses doentes que irão prestar ajuda e solidariedade na dor dos familiares; até mesmo os pais internados encontrarão dificuldades para ter a ajuda desses seus filhos rebeldes e ingratos que só querem saber da mordomia caseira e do prazer e gozo das festinhas, boate e outros divertimentos com seus amigos de rua.

    A “Idade da Mula” é um termo criado por um homem sábio que não tem o sentido de agredir e nem de menosprezar as pessoas de menor idade, ou “Pior Idade”; como deveria ser conhecida. O termo “Mula” se origina do animal mula, que é um eqüino conhecido por sua teimosia, pouca inteligência e de dar coices fortes. Essa “Idade” se caracteriza pelos sinais ou características seguintes:

    -rebeldia contra tudo e contra todos que representam figuras de autoridade, principalmente contra os pais e os professores;
    -não gostam de estudar, odeiam a Cultura Científica e detestam as pessoas Sábias e Cultas. Por não cultivarem o conhecimento universal, ficam alienados e se tornam presas fáceis para serem condicionados e aliciados por traficantes e terroristas que os seduzem e com uma “lavagem cerebral” religiosa os tornam traficantes e terroristas internacionais, prontos para explodirem os seus próprios países, o mundo e a si próprios por uma causa fantasiosa que eles desconhecem;
    -não tem asseio e não costumam lavar as mãos e com elas sujas, pegam nos utensílios domésticos e nos alimentos;
    -por onde andam dentro de casa deixam um rastro de sujeira, desperdício e desarrumação;
    -não sabem se alimentar comem o que é de pior para a saúde e, por isso, vivem doentes e adoecendo os pais com preocupações, desgosto, prejuízos materiais e mentais;
    -a maioria deles detesta as coisas naturais; principalmente as frutas, legumes e verduras; prefere o artificialismo das bebidas artificiais engarrafadas, dos alimentos enlatados, encaixotados e embalados de qualquer natureza e comprados em qualquer lugar nas ruas, do AR dos ventiladores e dos aparelhos refrigeradores;
    -deixam as portas abertas das geladeiras, dos armários, dos guarda-roupas entulhados de bagulhos e roupas sujas;
    -devido à frustração de suas vidas vazias, nulas e fúteis por só pensarem em si e só enxergarem um palmo diante do próprio umbigo, fazem tudo para obterem aplausos e a aceitação dos outros; utilizando-se de toda espécie de enfeites físicos, penduricalhos no corpo e, quase sempre simbolizando imagens macabras e de violência (caveiras, armas, sangue, etc.);
    -usam a linguagem, tatuagens e roupas semelhantes às usadas pelos piores criminosos nacionais e internacionais. Quem vê o comportamento e ouve o linguajar dos mais cruéis assassinos condenados à morte nas prisões norte-americanas; vai notar a grande semelhança com o gosto, atos, linguagem e comportamento das “Mulas” do mundo inteiro. É nossa hipótese que mentes semelhantes geram comportamentos semelhantes, mesmo que as pessoas não se conheçam e estejam a milhares de km umas das outras. É claro que cérebros que gravaram estímulos negativos semelhantes, seja numa família chinesa ou brasileira, irão agir de forma semelhante. O grande dilema e o terrível problema é que os meios de comunicação, notadamente a Televisão, o Cinema, Vídeos, as Revistas, a Internet e outros; estão divulgando, há décadas o que é de pior da Espécie Humana. Todo esse comportamento, alienado e desestruturante dos filhos criou a imensa barreira que vem separando-os dos seus pais. Como já frisamos acima, os alvos principais da agressividade das “mulas” são as figuras dos pais, dos professores e de todos aqueles que se lhes representam autoridade e controle. É a rebeldia anencéfala, herdada da “Era Hippie”, do “Paz e Amor”; Paz com os amiguinhos drogados e Amor livre e sem compromisso com as amiguinhas imaturas, rebeldes e desgarradas dos cuidados paternos e… A Guerra com os Pais e com toda espécie de Autoridades. Vejamos os princípios da desordem que nos legaram aqueles que foram conhecidos como “Hippies”; que eram contra tudo que é natural e legal e, a favor de tudo que é anormal, antinatural e ilegal. E, o que queriam com tal comportamento desviante dos bons costumes? Queriam, dentre outros:

    -sexo livre sem compromisso e à vontade, com qualquer um;
    -drogas liberadas e com fartura;
    -não dar nenhuma satisfação dos seus atos; principalmente aos pais e às autoridades;
    -o viver somente o “aqui-e-agora”; isto é, interesse apenas no gozo e prazer do momento e nada importando com as consequências futuras dos seus atos;
    -nada de Estudo Científico e de qualquer Cultura Clássica; foi o início da implantação da Anticultura;
    -anarquia e desleixo generalizados; isto é: tudo é permitido e nada é proibido; etc.

    Como os Pais e as Autoridades responsáveis daquela Época não aprovaram e nem poderiam aceitar tamanhas anarquia e libertinagem generalizadas; daí surgiram as primeiras revoltas e raiva contra eles, principalmente contra os Pais. Ora, sabemos que, quando uma pessoa imatura, seja pela pouca idade ou por transtornos mentais, não é aceita ou não tem os seus desejos realizados… Surge a Frustração. Importa lembrar que a FRUSTRAÇÃO é a causa da Agressividade e da Violência. Quando uma pessoa imatura em razão da pouca idade ou por distúrbios mentais fica frustrada; a sua reação consciente ou inconsciente é a Agressividade. Nenhuma pessoa em estado normal e de felicidade poderá agredir a quem e ao que quer que seja. Procurem pesquisar sobre a idade e/ou o estado mental dos delinqüentes e criminosos mais cruéis! Com exceção das anomalias genéticas e congênitas, todos nós nascemos com o potencial genético neural para aprendermos e sermos inteligentes; daí a nossa diferença com os demais animais. Porém, se não enriquecermos o cérebro com conhecimento científico; estaremos iguais, em pensamento e em comportamento aos das Mulas.

    Da Tirania dos Filhos ao Masoquismo das Mães

    Refiro-me ao masoquismo das mães, porque são elas as que mais sofrem com a desestruturação dos filhos. São elas que ficam acordadas esperando aflitas pela volta deles ou são acordadas nas madrugadas para acudi-los nos seus desatinos e nas consequências desastrosas de seus comportamentos desestruturados quando são vítimas ou causadores de vítimas. Temos que pensar: porque uma Mãe se submete a todos os caprichos, agressões, incompreensões, ingratidão e irresponsabilidade de seus filhos? Imaginemos os milhões de mães que ficam escravas de seus filhos; com as mãos calejadas por carregar pesos com compras para a casa; lavando roupas, esfregando chão,cozinhando,costurando e arrumando os quartos deles, diariamente! Enquanto eles dormem “curtindo” a ressaca da farra da noite anterior, Elas acordam e levantam cedo para fazerem as coisas em casa para, quando os dorminhocos saírem de suas tocas comerem, reclamando e pondo defeitos na comida feita por suas cansadas e sofridas mães escravizadas e tornadas masoquistas pelo imenso trabalho exigidos na criação e manutenção deles.

    Muitos deles acordam e com os estômagos saciados, saem para perambular com os amiguinhos pelos shoppings, lanchonetes, cinemas, etc.; são as Mães que vão limpar e organizar toda a sujeira deixada no quarto por eles. Ao invés de agradecerem, os mesmos retribuem com agressividades às reclamações das suas desafortunadas Mães Masoquistas que assim se tornaram, com o sofrer da repetição diária desse trabalho escravo, sendo que os seus filhos Sádicos são os seus próprios algozes. É claro que este processo psicopatológico é inconsciente para Eles e para Elas. Qualquer pessoa de fora da família que tenha um mínimo de conhecimento psicológico notará os desvios mentais que se formam no relacionamento familiar; principalmente entre uma mãe e um filho envolvidos no quadro doentio do Sadomasoquismo. Porém é tão inconsciente esse processo psicopatológico que, além de desconhecerem, a mãe e o filho reagem com grande agressividade (principalmente a Mãe) contra aquele que os alertarem. Isso se dá porque os seus Inconscientes Mentais resistem à cura. Não é raro que o Clínico que trata essa disfunção mental seja agredido fisicamente pelos seus pacientes Sadomasoquistas que assim agem para impedirem o Terapeuta de desfazer o terrível ELO doentio em que estão envolvidos.
    Eu mesmo já fui agredido, subta e fisicamente por uma Mãe enfurecida quando foi alertada sobre o futuro dela e de seu filho único; caso não mudasse o seu comportamento esquizofrenizante. Mas, porque acontece este processo tão prejudicial para todos? O medo materno de perder a estima e a companhia dos filhos (Para melhor compreender, procure ler no Google o Trabalho intitulado “O Medo da Solidão”), com o passar dos anos, por permanecerem no estado de sofrimento (Ela se matando pelos filhos ingratos e irresponsáveis) em que os filhos a fazem sofrer; cronifica-se o quadro Sado-masoquista. Isto é, a Mãe masoquista que sofre por ter que “amamentar” as mulas já bem crescidas que sentem prazer ao serem servidas pela desventurada Mãe. O pior é que esses hábitos e comportamentos desestruturantes tornaram-se mundiais. Não há dúvida que se tornou uma epidemia global. Em qualquer país as “Mulas” se comportam da mesma maneira; perdem tudo, estragam tudo, raramente deixam os objetos que usa em casa nos lugares em que pegou, deixam a pasta de dente destampada, o sabonete que usou no chão do banheiro, toalhas e roupas íntimas jogados em qualquer lugar, a escova largada até no bojo da pia em que todos lavam as mãos, cospem e escarram. E quem vai arrumar limpar e por ordem na sujeira e na falta de higiene? A mãe de cada um deles; seja aqui ou no Japão.
    Isto seria apenas curioso, caso não fosse uma Síndrome de uma patologia em suas mentes. Um dos grandes sinais de dependência e da patologia Sado-masoquista é quando a Mãe, repetidamente, fica perguntando, insistindo e até acordando o filho de mais de 6 anos para alimentá-lo, que se encontra deitado e fechado em seu quarto; salvo se o mesmo estiver enfermo e incapaz de se alimentar sozinho. Também é importante lembrar que o quadro Sado-masoquista não está limitado nos laços familiares! É esperado que uma Mãe ou outra pessoa masoquista também se submeta aos caprichos e ao sofrimento de estranhos que venha a conviver ou ter contato, como empregados, vizinhos, visitas em sua casa, etc. Nestes casos, o masoquista irá tratá-los de forma subserviente e subalterna, tal como se lhes fosse inferior; ficando ela ansiosa para servi-los com exagerada servidão e zelo, a fim de buscar o sofrimento que alimenta a sua disfunção mental. Em outras palavras: uma pessoa masoquista sente prazer Inconsciente em servir aos outros; ao mesmo tempo em que sofre Consciente pelo desgaste do trabalho físico e mental de sua escravidão.
    E o destino de todos os envolvidos? Pode ocorrer que saiam do quadro Sado-masoquista sem o auxílio terapêutico (o que é dificílimo); que não se tratem, ficando propensos à Depressão, Doenças Psicossomáticas, risco de Violência familiar e Autodestruição de algum ou alguns deles. Existe outro fator de risco para os personagens (Mães e Filhos) envolvidos no quadro Sadomasoquista; é quando um dos dois morre ou fica incapaz! Quem irá arcar com os cuidados tão ambíguos e patológicos com filho, quando faltar-lhe a sua “supermãe”? Como sobreviverá a mãe se o seu especial filhinho falecer? Em ambos os casos o sobrevivente poderá entrar no perigoso estágio da depressão que poderá levá-lo à Autodestruição. É importante relembrar que todo esse Quadro e o sofrimento causado na relação Sadomasoquista é um processo Inconsciente aos envolvidos; tendo eles pouco ou nenhum conhecimento (Consciência) do que se passa; apenas sofrem, sofrem e sofrem até que um tratamento ou a morte os separem. Não é crível que uma Mãe deseje conscientemente o seu sofrimento e o do filho, premeditando e executando a ruína do futuro de ambos.
    É doloroso, também, para o profissional da mente observar o sofrimento acarretado pela patologia Sadomasoquista nas famílias dos amigos, conhecidos e na sua própria e nem sempre poder sequer comentar ou discutir com eles sobre a extensão e o prognóstico do Mal. Vivendo apenas para os filhos (pior se tiver apenas um filho), a mãe não terá tempo para cuidar de si e abandona tudo, até a atividade sexual, tão importante para a sua psique e para o seu corpo. A salutar energia sexual que é a Libido será sacrificada e desviada para a manutenção material (principalmente alimentar) e afetiva do filho que se torna sádico e torna a mãe…Masoquista.
    No síndrome Sadomasoquista sobressaem outros tantos efeitos colaterais doentios que afetam pais e filhos; além de parentes,amigos,colegas,etc.. Um dos mais graves se verifica quando há o envolvimento de uma Mãe Madura com o Filho Único ou com o Mais Novo (caçula). O excessivo cuidado dela com esse filho é fonte de alguns graves distúrbios psicofísicos, como: desvios sexuais, obesidade, diabete, ansiedade, insucessos profissionais e sociais, depressão, neuroses, psicoses e, até suicídio. Por isso é que alguns clínicos denominam essas mães de “Mães Esquizofrenizantes”. Desvios sexuais ocorrem porque a Libido da mãe (sua energia sexual) é desviada para a dedicação ao filho. Toda, ou quase toda a energia vital da sua sexualidade é represada em favor do “bem-estar” do filho; em prejuízo do bem-estar e saúde dela. Não é raro que essa mãe, sexualmente reprimida, fique assexuada e sinta repulsa de sexo e, rejeite qualquer tipo de carinho erótico masculino. O filho único, sob o domínio do relacionamento “pegajoso” materno, poderá ter a sua sexualidade afetada; dirigindo a sua energia libidinal para a mãe (ou, a Filha para o Pai, caso seja ela e o pai os envolvidos na relação Sadomasoquista). Os outros efeitos psicobiológicos acima citados, como por exemplo, a Diabetes; poderão se desenvolver, colateralmente, em ambos, principalmente no filho, pelo excesso de comida (rica em carboidratos) que a mãe insiste em abarrotar o seu estômago, advindo a obesidade e, conseqüentemente, a diabetes. Infelizmente, é evidente o envelhecimento precoce de tal mãe, em decorrência do imenso desgaste psíquico, físico e material que nela se abate.
    Se todos os familiares não se submeterem a um tratamento psicoterápico sério, competente e psicobiológico; o futuro psicofísico de todos estará comprometido. Tanto os filhos sádicos, como os seus pais masoquistas devem se tratar com terapias de sessões alternadas, onde todos deverão freqüentar as Sessões familiares e individuais, alternando o tratamento, ora com os pais, ora com os filhos, individual e coletivamente. Não é um tratamento fácil e nem rápido; haja vista que o Terapeuta encontrará grande resistência dos pacientes, sofrendo o Psicólogo grande rejeição e agressões de todos familiares (principalmente da Mãe) que tentarão impedir a quebra da dependência mental mórbida que construíram e a mantém… O Sado-masoquismo.

    Minas Gerais, 12 de janeiro de 2015.

    Carleial. Bernardino Mendonça.
    Psicólogo-Clínico, Estudante de Direito, Escritor e Pesquisador nas Áreas do Direito e da Psicobiologia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s